DE 28 DE MAIO A 01 DE JUNHO 2019

"Este evento conta com o apoio do ESTADO DA BAHIA, através da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura – Seagri e da Secretaria do Meio Ambiente – Sema".

Faltam

Tecnicamente viável e com utilização eficiente da água, a irrigação inteligente pode ser a nova aliada do produtor do Matopiba

Publicado em: 31/05/2017 16:44:55

O estudo sobre a irrigação inteligente desenvolvido pela Embrapa e pela Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, foi apresentado durante a Bahia Fam Show 2017

Fatores como o crescimento da população e, consequentemente, o aumento do consumo per capita são indicativos para a expansão da agricultura irrigada, apontada como a principal alternativa para quebrar o ciclo da pobreza. Neste contexto, a palestra “Irrigação Inteligente”, sob o comando do especialista no assunto André Torre Neto, da Embrapa, foi apresentada a produtores rurais, estudantes e técnicos nesta quarta-feira, 31, segundo dia da Bahia Farm Show 2017.
Um estudo desenvolvido pela Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, sobre a utilização da irrigação inteligente na agricultura foi apresentado pelo professor. O projeto está sendo trazido e começa a ser adaptado à realidade brasileira, pela Embrapa, em parceria com a universidade americana. A proposta é aumentar a produtividade e a qualidade dos produtos, diminuir o consumo de água e energia e reduzir os custos de bombeamento e ao mesmo tempo, contribuir para a preservação das fontes de água.
A irrigação inteligente prevê a utilização de sensores de solo espalhados estrategicamente em zonas de manejo.  “A partir desses delineamentos é possível mapear a aplicação da irrigação a taxas variadas, com controle específico da necessidade da quantidade de água de acordo com a topografia do solo, textura, estrutura e obstáculos como valas de drenagem”, explicou Neto.
Estes sensores distribuem os dados via rádio, e, em tempo real, é possível visualizar os resultados, por meio de gráficos e mapas que apresentam o nível de água consumida em cada ponto e, ainda, se a água está chegando de forma rápida ou lenta. “É uma riqueza de informações”, complementou o pesquisador. Segundo ele, a tecnologia deve ser acessível aos brasileiros após mais alguns testes e estudos. Batizado de Projeto SWAMP, o programa está desenvolvendo uma nova geração de sensores específicos para os solos do Matopiba, e busca estabelecer o manejo de irrigação adequada específica para esta região. “O que se pretende é ter uma solução nacional, e estamos trabalhando para isso: a irrigação inteligente como a mais moderna alternativa para quebrar o ciclo da pobreza”, conclui.
Araticum